V E S T I B U L A R
MENU

Benefícios do Pilates para doenças respiratórias


às 13h10
Compartilhe:

O Pilates foi criado em meados da década de 20 por Joseph Pilates e tem como princípio a obtenção do condicionamento físico na aplicação dos seis princípios básicos: Centro, Concentração, Controle, Precisão, Respiração e Fluidez.

Segundo o Blog Pilates, O Método permite um adequado funcionamento de todo sistema, mobilização de volumes pulmonares de forma adequada e eficaz, melhorando a troca gasosa e o fluxo sanguíneo, evitando o acúmulo de secreções pulmonares (que contribuem para o aparecimento ou agravamento de várias doenças respiratórias) fortalecendo o sistema imunológico, que é importante para a prevenção de doenças como gripes e resfriados, além de auxiliar pessoas que já possuam doenças respiratórias crônicas.

Joseph Pilates dizia: “A Respiração é o primeiro ato da vida, e também o último. Nossa vida depende mesmo dela (…) Incansável e conscientemente, pratique a Respiração até que a arte de respirar corretamente se torne habitual, automática e subconsciente.”

O Pilates traz inúmeras vantagens para doenças respiratórias aos pacientes, pois apresentam compensações posturais que sobrecarregam seus músculos inspiratórios. Aplicando as técnicas corretamente, vai estimular a respiração de forma natural, completa e profunda. Disciplinando a respiração de forma que o ar passe pela cavidade nasal, e já filtrado, aquecido e umidificado, chegue aos pulmões livre de impurezas, o que permitirá uma melhor troca gasosa.

Por meio da respiração contribui para o reequilíbrio da função pulmonar, mobilidade tóraco-abdominal, aumento do volume pulmonar, aumento da saturação periférica de oxigênio (SpO2) e modificação do padrão respiratório.

É considerado uma alternativa inovadora e eficaz para o tratamento de pacientes com alterações, considerando todos os benefícios para doenças respiratórias. Além de ser um ótimo aliado para a imunidade, ajudando a prevenir doenças como gripes e resfriados, pode também ajudar pessoas que já possuem doenças respiratórias crônicas.

Compartilhe: