V E S T I B U L A R
MENU
 Menu Principal

Estudante de fisioterapia conta quais são os desafios de conciliar o trabalho com os estudos


às 19h02
Compartilhe:

Ter uma graduação deixou de ser um diferencial e se tornou uma exigência básica de um mercado de trabalho cada dia mais competitivo. Estudar é um ótimo investimento para o futuro, mas nem sempre é uma tarefa fácil para as pessoas que também precisam trabalhar.

A rotina de estudos de quem trabalha é cansativa, principalmente quando o aluno precisa se preparar para as provas e tratar de outros afazeres, como é o caso da estudante do 6º período de Fisioterapia na Faculdade São Luís de França, Jackeline Cristina, que além de conciliar os estudos com o trabalho, cuida da sua filha de 8 anos, o que torna essa tarefa ainda mais desafiadora por conta da responsabilidade que precisa ser redobrada.

A estudante conta que acorda às 6h30 todos os dias e às 7h40 chega ao trabalho no qual ela é encarregada de cuidar de idosos. Ao fim do expediente, ela busca sua filha na escola e a leva para casa, para preparar o seu jantar e ajudá-la com os deveres de casa, e então finalmente assistir as aulas da faculdade.

Apesar da correria, a futura fisioterapeuta se sente recompensada ao conseguir conciliar tudo ao mesmo tempo e diz que sua mãe e sua filha são suas principais motivações. “Minha mãe não teve estudo, então ela sofreu muito para me criar, isso me dá ânimo e muita vontade de continuar a estudar, e minha filha sempre fala que quando crescer quer ser fisioterapeuta, é o que mais me motiva”, conta.

Muitos estudantes e profissionais se sentem intimidados ao tentar conciliar uma vida dupla. Por conta dos desafios de ter uma rotina organizada e dar conta de todas as demandas, fazendo com que pensem em desistir antes mesmo de tentar. Dessa forma, Jackeline acredita que mesmo sendo difícil vale a pena o esforço. “As coisas não são fáceis, pois o mercado de trabalho exige os melhores, mas o mais importante é continuar tentando sem pisar no próximo e nunca esquecer suas verdadeiras origens e o porquê de seguir em frente”, aconselha.

Compartilhe: